A Tecnologia da Limpeza: Sistema de Cerdas “CrissCross”
oral-b products
ovelay
oral-b products
headerfirst headersecond headersecond
   
Arrow Left Voltar ao Buscador
   
oral-b products
buynowheaderfirst buynowheadersecond
oral-b products
headerfirst headersecond
oral-b products
headerfirst headersecond
get_the_most_from_your_dental_visit_lg

As pesquisas mostram que a formação de placa é mais intensa nas superfícies proximais dos molares e pré-molares e que seu acúmulo leva a doenças gengivais.

Investigações detalhadas sobre o modo de ação das cerdas da escova durante a escovação revelaram que quando durante os movimentos comuns tipo frente-trás, as cerdas verticais das escovas convencionais se curvam para trás e para fora, na direção contrária à do movimento, e vão sendo arrastadas, varrendo toda a superfície do dente.

Uma avaliação feita em laboratório sobre o efeito do ângulo da cerda revelou que o posicionamento das cerdas em ângulo pequeno, de até 12°, tinha pouco efeito sobre a penetração interproximal e tinha resultados similares aos da disposição convencional das cerdas (0°). Mas aumentando um pouquinho mais o ângulo na direção do movimento, o movimento das cerdas muda: a ação de varrer, que passa a ser uma ação de “penetrar, girar e levantar”.

A linha de escovas CrossAction foi desenvolvida com tufos de cerdas em ângulo de 16° em relação à vertical ao longo de todo o comprimento da escova. Em uma fileira de um dos lados da escova há tufos com cerdas mais compridas em ângulo de 16° voltados para a direção da extremidade, enquanto na fileira do meio da cabeça da escova há tufos em ângulo de 16° na direção contrária, ou seja voltados para o cabo. Essa alternância de direção dos tufos cria uma disposição cruzada das cerdas que, independentemente da direção em que a cabeça da escova se movimenta, sempre há tufos em ângulo de 16° voltados para a direção do movimento, aumentando a penetração interproximal.

As pesquisas feitas durante o desenvolvimento da escova CrossAction revelaram que as cerdas anguladas na direção do movimento permaneciam nos espaços interproximais por 0,068 segundos; já numa escova com padrão idêntico, mas com cerdas posicionadas na vertical, esse tempo de permanência era de apenas 0,008 segundos, o que demonstra que cerdas em ângulo permanecem nos espaços interproximais por mais tempo do que as cerdas verticais.

Ficou comprovado que as cerdas anguladas das escovas CrossAction penetravam mais e permaneciam mais tempo nos espaços interproximais do que as cerdas verticais, implicando teoricamente em melhor limpeza dessa área tão importante. Muitos estudos clínicos confirmam que as escovas CrossAction são mais eficazes que a escova manual tradicional no que se refere à limpeza de áreas proximais, além de serem eficazes na redução da gengivite, contribuindo assim para uma melhor a saúde bucal.